domingo, 1 de setembro de 2013

1 ano e o fim da opção de Ciência Política

image 

Faz hoje um ano que este blogue foi criado para apoiar a leccionação da disciplina de Ciência Política, uma opção do 12º ano nos cursos científicos e humanísticos. Como não existia manual para adoptar, foi aqui - ver na barra lateral do blogue - que disponibilizei os recursos que utilizei (os testes, as matrizes dos testes, os esquemas, as fichas, as orientações para os trabalhos de grupo, os documentários e filmes visionados nas aulas, as diversas actividades realizadas ao longo do ano letivo e alguns dos trabalhos dos alunos, entre outras coisas).

Tentei ensinar Ciência Política, uma disciplina onde se articulam noções de política, direito, história e  filosofia política. Procurei, sobretudo, levar os alunos a reflectir e a formar opiniões acerca de alguns problemas políticos da actualidade. A ideia era também promover junto da comunidade educativa (incluindo os professores) um maior interesse por alguns dos conceitos fundamentais utilizados na vida política - o que não me parece que tenha acontecido, pois a maioria os leitores deste blogue, exceptuando os alunos, foram pessoas exteriores à escola.

Procurei fazer o melhor, apesar das minhas condições de trabalho não serem boas. Não terá sido o suficiente para interessar os alunos (que transitaram este ano para o 12º ano) e motivá-los para o estudo da disciplina.

Assim, uma vez que este ano letivo não haverá esta opção, a razão principal deste blogue deixa de existir. Deste modo, a menos que tenha disponibilidade para alterar a natureza dos posts publicados (o que é muito duvidoso), irei suspender este projeto no presente ano letivo. É a decisão mais provável, mas só será definitiva após o início das aulas.

Um obrigado a todos os leitores que acompanharam o blogue durante este ano!

domingo, 21 de julho de 2013

Cartas a um jovem político

«Nestas cartas procurei dividir com o leitor, especialmente os mais jovens, experiências que vivi em meus vinte e sete anos de política, lições que aprendi dentro e fora do governo e conhecimentos que fui adquirindo ao longo da vida.»

Fernando Henrique Cardoso

domingo, 14 de julho de 2013

As demissões de Portas e Gaspar cantadas por Vasco Palmerim

Duas canções para duas demissões recentes de ministros do governo português: Paulo Portas e Vítor Gaspar.

Quando a realidade política é triste e díficil de entender, rir pode ser uma ajuda, pelo menos momentânea!

Este blogue no TIC@Portugal'13

Estas são as fotos do encontro TIC@Portugal 2013 em que participei.

A comunicação que apresentei, no âmbito das boas práticas, foi:

Homo politicus, um manual de Ciência Política online

Foi uma experiência muito interessante porque permitiu conhecer o trabalho desenvolvido por colegas de diferentes escolas e disciplinas, ter acesso a algumas das mais recentes aplicações das TIC em contextos educativos e, sobretudo, partilhar e discutir ideias.

Fica a certeza: para o ano estarei de novo no próximo encontro!

quinta-feira, 4 de julho de 2013

O sistema político em Portugal: a evolução do voto

Eis um pequeno resumo do trabalho que as alunas do 12º E,  Joana Carvalho e Helga Cruz, apresentaram (oralmente) na aula de Ciência Política.

O tema geral era o sistema político português, o subtema escolhido: "A evolução do voto em Portugal."

Evolução do voto em Portugal, um trabalho das alunas Joana Carvalho e Helga Cruz do 12º E.pdf by dmetódica

As indicações para este trabalho foram fornecidas pela professora AQUI.

O sistema político em Portugal: a distinção entre o poder político local e nacional

Eis um pequeno resumo do trabalho que as alunas do 12º E,  Ana Sofia Cadete e Débora Silva, apresentaram (oralmente) na aula de Ciência Política.

Um agradecimento ao presidente da freguesia de Estoi que, gentilmente, acedeu ser entrevistado pelas alunas.

O tema geral era o sistema político português, o subtema escolhido: "As diferenças entre os dois níveis de poder político: nacional e local."

O poder político local e nacional, um trabalho das alunas Ana Sofia Cadete e Débora Silva.pdf by dmetódica

 

As indicações para este trabalho foram fornecidas pela professora AQUI.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Uma repórter da ESPR no Parlamento dos jovens

image(2)

A aluna Ana Sofia Cadete (do 12º E) - que foi a repórter de serviço, na sessão nacional do "Parlamento dos jovens" 2013 - conta-nos como foi a sua experiência, o que viu e aprendeu.

Vale a pena ler!

Reportagem Sobre o Parlamento, Da Autoria Da Aluna Ana Sofia Cadete by dmetódica

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Portugal é um país envelhecido: dados estatísticos

O envelhecimento da população portuguesa é, sem dúvida, um factor a ter em conta na actividade  política. De que forma é que estes dados poderão afectar as políticas públicas?

O jornal Diário de Notícias publicou alguns artigos sobre este assunto que vale a pena ler. Eis os links:

Por cada jovem a menos há um idoso a mais

Já nem imigrantes atenuam a queda da população
Faltam áreas urbanas médias em Portugal

domingo, 9 de junho de 2013

25 anos de Portugal europeu: prepare-se para o debate

 Futuro de Portugal volta a ser debatido em setembro

"Portugal Europeu. E...?" é o tema do novo debate que a Fundação Francisco Manuel dos Santos lança para a discussão a 13 e 14 de setembro, no Liceu Pedro Nunes (Lisboa).

Para se preparar para o debate, vale a pena ler as opiniões (de reconhecidos especialistas de diferentes áreas) no Diário de Notícias e que foram apresentadas na Conferência debate 25 anos de Portugal europeu.

Vale a pena ler!

1. "Houve uma altura em que ficámos drogados nos fundos"

O sociólogo Manuel Villaverde Cabral lembra que os fundos comunitários, que foram mal utilizados, vieram "assoprar o fogo e quando parou o sopro, o fogo extinguiu-se".

2. "Houve muita gente que se habituou a viver à sombra dos fundos"

O sociólogo António Barreto diz que houve pessoas que podiam ter feito mais um esforço, mas não fizeram por causa dos subsídios europeus.

3. Investimento em educação ficou aquém do esperado

Elísio Estanque e Manuel Villaverde Cabral apresentaram as suas análises sociológicas dos primeiros '25 anos de Portugal europeu'

4. "Uso e abuso" criou "economia de dívida"

O economista Daniel Bessa diz que houve "uso e abuso das possibilidades que nos foram trazidas pela integração europeia".

5.  Pedro Lomba defende processo "de baixo para cima"

Secretário de Estado diz que o estudo permite ver "não só o que correu bem, mas também o que correu mal nestes 25 anos de integração europeia".

6.  Augusto Mateus explica "semifalhanço" da aplicação dos fundos

O coordenador do estudo "25 anos de Portugal Europeu", na sua intervenção, centrou-se na apresentação na última parte do trabalho, composto por seis roteiros, os quais identificam alguns erros do caminho...

7. "Só não estamos melhores porque não quisemos"

O presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos diz-se "deprimido" por ver que os governantes "não souberam utilizar convenientemente os fundos que nos foram dados para melhorar definitivamente este...

8. "Portugal habituou-se a confiar na sorte"

O presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos disse, no início da conferência em que se apresenta o estudo sobre os 25 anos de Portugal na União Europeia, que "mais do que uma UE, somos hoje a...

sábado, 8 de junho de 2013

Este país não é para jovens

"A conclusão a que se chega neste inquérito de rua é que não, este país não é para os jovens, que pensam emigrar perante a falta de oportunidades."

Via jornal Diário de Notícias.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Fazer política a sério!

Parlamento dos jovens 2013, reunião da 6ª comissão

A reunião da 4ª comissão em que estiveram presentes os deputados do círculo de Faro.

image(2)

Os deputados do círculo de Faro - Miguel Dionísio, Pedro Borralho, Diogo Sousa e Mário Rosa -   durante o debate.

O debate pode ser visto no Canal Parlamento, AQUI (na barra lateral clicar no ícone "Parlamento dos jovens", 2013 e 4ª comissão).

image(4)

Os deputados do círculo de Faro - Miguel Dionísio, Pedro Borralho, Diogo Sousa e Mário Rosa -   após o debate.

image

As jornalistas da Pinheiro e Rosa e da João de Deus.

image (4)

A abertura da sessão nacional do "Parlamento dos jovens".

[fotografia%255B5%255D.jpg]

Os deputados algarvios na sessão nacional.

As fotos são da jornalista da Pinheiro e Rosa, Ana Sofia Cadete, do 12º E.

RecomendacaoAprovada_Secundario(1) by SaraRaposo

As fotos são da jornalista da Pinheiro e Rosa, Ana Sofia Cadete, do 12º E.

sábado, 25 de maio de 2013

Mais de metade dos jovens portugueses não querem ser políticos

"Os jovens portugueses não estão inclinados para uma carreira política: é neste sentido que vão os dados de um Eurobarómetro sobre a participação na vida democrática, divulgado esta sexta-feira pela Comissão Europeia.

Quando questionados sobre se considerariam apresentar-se como candidatos numa eleição política, em qualquer momento das suas vidas, 52% dos inquiridos respondeu que “de certeza que não” e 26% disse que "provavelmente não". 

No total dos jovens cidadãos dos Estados-membros da União Europeia, a certeza de não querer fazer política ascende aos 79%. Só um em cada cinco afirmou que consideraria construir uma carreira política, nomeadamente através de candidatura a eleições (tanto nacionais como europeias). 

A falta de vontade dos jovens portugueses em participar na vida política vê-se também através da corrida às urnas. Sobre se votaram pelo menos uma vez nos últimos três anos, 48% disse que sim, o que representa um decréscimo de 12% relativamente a 2011. Paralelamente, a proporção daqueles que admitiram não ter votado subiu 11%. 

Os inquéritos da Comissão Europeia foram iniciados em 2011, pelo que os jovens portugueses responderam relativamente à participação política em 2009, ano em que Portugal teve eleições legislativas, europeias e autárquicas.

Portugal segue, assim, uma tendência europeia de diminuição de participação política por parte dos mais jovens. Em 2012, 73% dos que estavam legalmente habilitados a votar, fizeram-no pelo menos uma vez nos últimos três anos, o que representa um decréscimo de 6% em relação ao ano anterior.

A maioria dos que não votaram admite que foi porque não acha que o voto altere alguma coisa, porque não se considera devidamente informada para o fazer ou porque não pensa que o Parlamento Europeu lide com problemas que os afecte. 

Em relação às eleições europeias que se realizam no próximo ano, só 24% dos portugueses tem a certeza de que irá votar – a maioria são mulheres entre os 20 e os 24 anos. Dois terços dos europeus inquiridos revela ser provável participar nestes sufrágios. 

A Comissão Europeia inquiriu 13 mil cidadãos de estados-membros da UE, com idades compreendidas entre os 15 e os 30 anos. "

Artigo do jornal "Público", ver AQUI.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

A ESPR na sessão nacional do Parlamento dos jovens

Nos dias 27/28 MAIO, no âmbito do projeto nacional "Parlamento dos jovens", os alunos Mário Rosa (12º A), Miguel Dionísio (12ºB) serão deputados na Assembleia da República e irão representar o círculo eleitoral do Algarve (com mais dois alunos da escola Secundária João de Deus). A aluna Ana Sofia Cadete (12º E) irá ser a jornalista de serviço (do Pinhas online, o jornal da escola).

Para saber mais informações, consultar os links do site do Parlamento:

clip_image002Agenda da Sessão Nacional
clip_image002[1]Escolas e deputados eleitos
clip_image002[3]Organização das Comissões, com distribuição dos Projetos de Recomendação e perguntas
clip_image002[4]Jornalistas das Escolas participantes

Porque é preciso discutir política nas escolas e ter uma palavra a dizer sobre o futuro!

Quadro PR Aprov(1) by SaraRaposo

Quadro Comissoes Secundario by SaraRaposo

terça-feira, 14 de maio de 2013

O julgamento do século XX: Nuremberga

Göering no Tribunal de Nuremberg

Hermann Göering, condenado a morte por enforcamento em Nuremberg, suicidou-se duas horas antes da execução e considerou-se "não culpado" perante o juiz.

"A 20 de Novembro de 1945, começou em Nuremberga o julgamento de 22 grandes criminosos de guerra nazis. Faltavam Hitler, Himmler ou Goebbels, que se tinham suicidado. Ao fim de onze meses e mais de 400 audiências, serão pronunciadas 12 sentenças de morte, sete penas de prisão e três absolvições. Os onze condenados à morte (Bormann foi condenado à revelia) foram enforcados na madrugada de 16 de Outubro de 1946, no ginásio da prisão, depois incinerados e dispersas as sua cinzas, para evitar qualquer tentação de culto neonazi.
É impossível compreender Nuremberga sem a memória da barbárie nazi, o que não cabe aqui. Nuremberga marcou "um alargamento da consciência colectiva da Humanidade", tal como revelou a dimensão do extermínio dos judeus europeus. Mas não está isenta de polémica.
O primeiro problema é a legalidade. Em 1941, Churchill advertira a Alemanha: "O castigo dos crimes nazis será doravante um dos objectivos desta guerra." Não havia precedente e os aliados divergiam. Os americanos queriam um grande processo público. Os ingleses um julgamento à porta fechada, sem excluir a execução sumária de altos dignitários. Os russos defendiam a execução em massa, sumária e sem processo, de milhares de criminosos de guerra. Prevaleceu a opinião americana.

Crimes contra a humanidade
O Tribunal militar internacional de Nuremberga foi criado em Londres a 8 de Agosto de 1945. O seu estatuto define quatro delitos. O "plano concertado ou conspiração" para fazer a guerra e os "crimes contra a paz"; por outro, "os crimes de guerra" e, principal inovação, os "crimes contra a humanidade": "O assassínio, o extermínio, à redução à escravatura, a deportação e todo o acto desumano cometido contra as populações civis, antes e depois da guerra, tal como as perseguições por motivos políticos, raciais ou religiosos."
Os crimes de guerra estavam relativamente cobertos por convenções internacionais mas não permitiriam julgar muitos dos responsáveis pelo extermínio dos judeus. Foi assim recuperado o conceito de "crime contra a humanidade", inventado em 1919 para tipificar o genocídio arménio. Mas, em 1945, ainda está associado aos crimes de guerra, pois a guerra - a sua provocação e a violação das suas regras - é a obsessão dos aliados. Só mais tarde será autonomizado, para perseguir os crimes contra populações civis em situações de guerra ou de paz.
O conceito de genocídio, criado em 1944 por um jurista húngaro para qualificar o crime "inominável", não foi utilizado. Apenas será consagrado pela ONU, em Dezembro de 1948, na Convenção para a prevenção e repressão do crime de genocídio.
Os estatutos do tribunal incluem outra inovação: os acusados não poderão justificar os seus crimes pelo cumprimento de ordens.

O legado
Nuremberga introduziu o conceito de que os indivíduos e os Estados estão sujeitos à lei internacional, o que inclui limites à sua soberania", diz à Reuters Henry King, 86 anos, um dos membros da equipa americana de acusação em Nuremberga. "Neste sentido, marca a emergência da lei internacional como uma força reconhecida em todo o planeta."
Foi também um marco histórico na revelação da Shoah: "Foi graças ao processo de Nuremberga que se puderam lançar bases sólidas que permitiram integrar a destruição dos judeus da Europa numa visão global do nazismo e da II Guerra Mundial", resume o historiador canadiano Michael Marrus.
A guerra fria - passado o apressado julgamento no Japão (1946) - congelou a justiça internacional. Na prática, só a partir de 1993, com a criação do TPIJ, e no ano seguinte com o TPI para o Ruanda, ela redesperta.
Em 1998 foi lançado o Tribunal Penal Internacional, já apto a julgar crimes posteriores a 2002. Mas está bloqueado pela recusa de ratificação do tratado por grandes países - designadamente os Estados Unidos que, ironicamente, o recusam em nome da independência e da soberania nacionais.
O juiz Meron, pensando nos julgamentos de Milosevic ou de Saddam Hussein (este um julgamento nacional), repete a lição que aprendeu em Haia: "Justiça, justiça, justiça (...) para com o acusado, transparência nos processos, credibilidade nos processos. Nestas coisas não pode haver compromissos."

Informação transcrita do jornal "Público", ver AQUI.